Pura emoção no Recital de Poesia dos estudantes do 1º Ano do Isbinha

O reconhecido poeta  Oswald de Andrade disse “Aprendi com meu filho de 10 anos que poesia é o descobrimento das coisas que nunca vira antes”. Entre tantas conceituações sobre o que é poesia, está o fato de que as crianças podem transmitir este gênero da literatura apenas por serem quem são e como são. Os eventos literários promovidos pelo Ensino Fundamental I do Colégio ISBA refletem exatamente isso.

Mais uma prova disso foi o Recital de Poesia 2018 apresentado pelas crianças  do 1º Ano, nesta sexta-feira, 30/11, no auditório Maestro Cícero Alves. O evento foi lindo e, sobretudo, trouxe textos literários de reflexões valiosas para a formação das crianças e um despertar importante para as famílias: respeito ao outro, a valorização do que realmente importa, como o amor, a união, a verdade… 

No início, os estudantes entraram ao som da Música Aquarela, de Toquinho. Em seguida, as  professoras Helena Gonzales e Natiele Santana saudaram às famílias em forma de poesia. Foi então, que as crianças recitaram juntas  o texto “Poesia das Coisas” e logo empolgaram à plateia ao dançarem a música “Pé de Poesia”, do Grupo Éramos Três.

Assim que a canção chegou ao final, as crianças deixaram o palco ao som dos aplausos. Na sequência, após um clima de expectativa e silêncio, os pequenos poetas retornaram em trios, quartetos e quintetos. Cada grupo declamou um poema, arrancando reações do público atento.

Os poemas recitados foram: “Convite” e “Paraíso”, ambos de  José Paulo Paes; “Leilão de Jardim”, de Cecília Meireles; “Poema de Todo Dia”, de Kátia Rocha; “Léo e Lia”, de Kátia Rocha, “A bailarina”, de Cecília Meireles e “Abençoado Seja o Livro”, de Leda Maria.

Claro que a emoção das famílias foi geral, tanto pelo que foi dito pelos pequeninos quanto pela desenvoltura de todos. No encerramento, as crianças cantaram o poema canção “Plantar Sonhos”, do Grupo Coração Palpita (confira abaixo da galeria de foto a letra completa). Logo depois, a coordenadora Rosângela Vedovato agradeceu a presença de todos, homenageou as professoras pedindo que elas subissem ao palco. “Agradecemos e parabenizamos as professoras Natiele e Helena pelo belíssimo resultado de um trabalho desenvolvido com muito comprometimento. Sabemos que não é fácil alcançar ao patamar que todos aqui testemunhamos”, disse Rosângela sem esconder a alegria.

Antes de finalizar, a coordenadora pediu que as crianças fossem em direção às famílias para cumprimentar a todos e depois se sentassem para juntos assistirem a apresentação de slides com fotografias dos principais momentos vivenciados e atividades realizadas durante todo o ano letivo de 2018.

Ao final, na saída das famílias, professores e colaboradores, o que se viu foi um clima de emoção e alegria. Definitivamente, as crianças, a poesia e arte da educação encantaram a todos.

Por Ticiana Bitencourt

 

Confira a Galeria

“Plantar Sonhos” (Grupo Coração Palpita)

Água mole em pedra dura
Tanto bate até que fura
Água mole em pedra dura
Tanto bate até que fura

Vamos plantar sonhos
Vamos plantar sonho neste chão
Para que esta nossa realidade dura
Amoleça então uma chuva de algodão

Vamos plantar sonho lá
Vamos plantar sonho cá
Para que esse nosso solo seco
Floresça enfim, mil sementes no jardim

Água mole em pedra dura
Tanto bate até que fura
Água mole em pedra dura
Tanto bate até que fura

Vamos plantar sonhos
Vamos plantar sonho neste chão

Para que este nosso solo seco
Possa amolecer
Que nem maria mole, gelatina de limão
Que nem coração de mãe, de vô, de vó

Vamos plantar sonho lá
Vamos plantar sonho aqui
Para que esta nossa realidade dura
Amoleça então poesia e canção

Todo fruto um dia já foi sonho semente
Tudo que é criado já foi sonho pensado
Vamos plantar sonho então
Vamos plantar sonhos bons

Água mole em pedra dura
Tanto bate até que fura
Água mole em pedra dura
Tanto bate até que fura

Vamos plantar sonhos