Valentina: uma história de superação entre o ISBA e os EUA

Quando chegar à Wellesley College para iniciar os estudos numa das principais universidades norte-americanas, vai passar um filme na cabeça da ex-aluna do Colégio ISBA, Valentina Manguinho Daiha, 19 anos. Foram muitos anos de estudo e dedicação, até a superação de um câncer, para enfim ingressar na instituição onde se formaram Hillary Clinton e a primeira secretária de Estado da história dos Estados Unidos, Madeleine Albright.

Valentina nos EUA

Em 2016, ela teve que superar um câncer enquanto cursava o segundo ano do ensino médio. Por isso, não esquece o apoio que teve no ISBA durante aquele difícil período. Por conta da quimioterapia, Valentina precisou faltar a algumas aulas, mas o Colégio criou um calendário específico para ela. “Me deram passe livre para faltar a algumas atividades e, por isso, não parei de estudar. Vi que parte de minha terapia seria o estudo e também tive muito apoio de meus colegas”, lembra.

Acolhimento

Valentina se recorda que todo o suporte não se resumiu às questões pedagógicas. E cita a atmosfera de acolhimento no ISBA. “Quando raspei a cabeça, por causa do tratamento, todos me elogiavam e elevavam minha autoestima. Aquele momento foi muito especial”, conta. Sua mãe, a administradora Soane Gomes Manguinho, que também foi estudante do ISBA, lembra de tudo com muito carinho. “Ela foi muito bem tratada, foi um acolhimento muito forte e por isso vemos o ISBA como uma família”, diz.

Nossa estudante se formou no ISBA em 2017. E assim como acontece nos EUA, fez do ano de 2018 o conhecido gap year. Neste período, os estudantes se preparam para o Scholastic Aptitude Test, conhecido como SAT, uma espécie de Enem norte-americano. É preciso se preparar também para os testes de proficiência no inglês, no caso de Valentina, o Toefl, um dos mais utilizados para se ingressar em universidades dos EUA e Canadá.

Valentina Daiha e mãe Soane ManguinhoAcima da média

As notas de Valentina foram muito acima da média. No SAT, dos 1600 pontos possíveis, ela chegou aos 1410 pontos (a média gira em torno de 1000). Já no Toefl, fez 111 pontos dos 120 possíveis. Seu desempenho não só garantiu vaga com direito a bolsa integral na Wellesley College, como um lugar na chamada waitlist (lista de espera) de universidades famosas como Columbia e Harvard. “Mas já me decidi pela Wellesley College, que é uma faculdade só para mulheres e que, por isso, preza muito pelo engajamento feminino”, explica.

Esse interesse de Valentina pelas causas sociais se desenvolveu ainda mais no ISBA e foi essencial para seu ingresso numa faculdade norte-americana, pois tanto o Colégio quanto muitas universidades de fora do País valorizam a atuação extraclasse. “O ISBA permite que seus estudantes desenvolvam sua capacidade de criticidade. A autonomia que eles adquirem aqui permite manifestações diversas, como a defesa do feminismo ou o combate à homofobia”, exemplifica o vice-diretor, professor Edmundo Castilho.

Além das notas

Valentina Daiha, Edmundo Castilho e Soane ManguinhoComo os critérios de seleção das universidades norte-americanas vão muito além das boas notas, a passagem pelo ISBA foi essencial para Valentina. “As cartas de recomendação que o Colégio emitiu, e o fato de Valentina ter sido bolsista e muito dedicada às atividades extraclasse, foram fundamentais para que a universidade a aceitasse”, explica Castilho. “O diferencial do ISBA é o engajamento social, pois o Colégio nos ensina a ver os estudantes muito além das notas, o que tem muito a ver com os critérios de seleção nos EUA”, completa Soane Manguinho.

Valentina ingressa na Wellesley College para cursar Ciências Políticas ou Relações Internacionais. A escolha pode ser feita até os dois anos de estudo. Após quatro anos, ela poderá ingressar na faculdade de Direito, como pretende.

Diretora do ISBA, a professora Rita Margareth Passos destaca o perfil de estudante guerreira, aplicada e corajosa de Valentina. “Acompanhamos ela desde pequenina no ISBA e o destaque é para seu protagonismo estudantil. Nunca tivemos dúvidas de que ela iria longe. Por isso, agradecemos a Valentina pelas ricas lições de vida partilhadas aqui e desejamos a ela muito sucesso”.